Deodora estreia com cerveja em homenagem ao Mutum de Alagoas

Se você não sabe, nós já falamos aqui que a primeira cerveja brasileira nasceu no Nordeste, pelas mãos dos holandeses do século 17. A mesma esquadra chefiada pelo conde Maurício de Nassau – que trouxe artistas, cientistas e até um cervejeiro nas embarcações – foi também a responsável por garantir o primeiro registro científico de uma ave rara, o Mutum de Alagoas, desenhada pelas mãos do naturalista Georg Marcgrave.

A ave terminou sendo caçada nos séculos seguintes vindo a ser considerada extinta da natureza na década de 80. Após quase 30 anos sem registros do animal, os três últimos exemplares encontrados no município de Roteiro (AL) e que haviam sido levados para o Rio de Janeiro (RJ), foram criados e reproduzidos em cativeiro. O retorno das aves para Alagoas ocorreu em setembro deste ano, depois de uma imensa força-tarefa que mobilizou o Governo de Alagoas, Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), Ministério Público (MP) e Instituto do Meio Ambiente (IMA).

(Foto: Rommel Mendes / Agência Chama)

Não por menos, a primeira cervejaria de Alagoas, a Cevada Pura Maceió, declarou independência na última terça-feira (07), em evento ocorrido no The Square Park Office, no bairro de Jatiúca, em Maceió. A mudança busca adotar um novo posicionamento da marca ao garantir liberdade na criação de receitas tipicamente alagoanas. Com isso, a cervejaria encerra a parceria com a fábrica de Piracicaba (SP) e passa a se chamar Deodora, onde adota também a ave símbolo de Alagoas como a nova cerveja de trabalho.

“A Mutum é uma cerveja mais lupulada, então ela traz um limão muito forte, a questão da especiaria, o condimento e a levedura. Ela é mais cremosa e extremamente refrescante e leve”, destaca Lara Nonô, proprietária da Deodora.

Do tipo American Wheat, a breja de trigo é uma prima da tradicional Weiss alemã, mas a diferença fica na adição maior dos lúpulos, como o Sorachi Ace, que garante um sabor mais aproximado do limão. A cerveja, que leva 5% de teor alcoólico e 30 de IBU, chamou a atenção do engenheiro civil Fernando Pinto, presidente do Instituto para Preservação da Mata Atlântica (IPMA), e um dos maiores incentivadores na proteção do Mutum em Alagoas.

A cerveja Mutum foi o destaque da inauguração (Foto Milton Rodrigues / Breje-se)

“Não existe nada melhor do que divulgar o Mutum de Alagoas do que estar no rótulo de uma cerveja, primeiro porque é uma cerveja de boa qualidade e quem tem tudo a ver com ele, segundo porque você não pode pensar em preservar alguma ave se não a conhece”, destaca o engenheiro.

Ainda segundo Fernando Pinto, atualmente os três mutuns trazidos do Rio de Janeiro vivem em uma área de meio hectare a cerca de 25 km de Maceió, no município de Rio Largo.

(Foto IPMA / Divulgação)

“Estamos criando mais reservas florestais particulares, quase 12 mil hectares de área e outros três casais reservados em Minas Gerais [onde atualmente existem 230 em cativeiro] serão trazidos para cá. Eles vão ser soltos na mata da Usina Utinga Leão, que agora está sendo extremamente fiscalizada. Temos também um programa de educação ambiental com a comunidade que está se apaixonando pelo projeto e que será o nosso principal fiscal”, explica Fernando Pinto.

A região do entorno da Usina Utinga Leão será transformada em parque de modo a receber visitantes já a partir de janeiro de 2018. Neste caso, antes de visitar o Mutum que deu origem a cerveja, nada melhor do que experimentar a nova breja da Deodora carregada de inspiração ambiental.

Deodora: cervejaria com toque feminino

Lara Nonô quis mostrar a força feminina (Foto: Milton Rodrigues / Breje-se!)

Quanto a escolha do novo nome para a cervejaria, Lara Nonô explica ao Breje-se que optou por um cujo o logo transmitisse ao mesmo tempo a representação de uma mulher forte, independente e com raízes alagoanas.

“O nome Deodora busca trazer as nossas raízes, da proclamação da República [com o alagoano Marechal Deodoro da Fonseca], ao mesmo tempo que é um nome feminino que empodera e representa nossa independência”, explica.

Em termos de receita, o cliente pode ficar tranquilo, Lara garante que a Deodora irá manter os tradicionais rótulos já fabricados pela Cevada Pura Maceió: Pilsen, Cevada (agora chamada de Deodora), Weizenbier e IPA. Fora estes, a marca espera ainda relançar a Lemondrop – considerada um sucesso de vendas – e em janeiro de 2018 apresentar a Tropical Ale, uma variação do estilo Red Ale, mas com lúpulos um pouco diferentes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s